Seguidores

quinta-feira, 8 de setembro de 2011


DIRETRIZES PARA USUÀRIO DE CRACK

0
CFM apresenta diretrizes para tratamento de usuários da droga

Preocupado com o crescente número de dependentes, Conselho Federal de Medicina quer disseminar entre médicos informações úteis para tratamento

O Conselho Federal de Medicina (CFM) lançou nesta quarta-feira (10) protocolo de assistência a usuários e dependentes de crack. O documento, intitulado Diretrizes Gerais Médicas para Assistência Integral ao Usuário do Crack, foi formulado pela Comissão de Assuntos Sociais da entidade a partir de uma pauta de discussões realizadas em 2010 e 2011 em um fórum, um seminário e uma oficina – encontros dos quais participaram especialistas, pesquisadores e representantes de instituições interessadas no tema. (Acesse o documento)


As Diretrizes definem conceitos relacionados à droga e a seu uso, assim como aspectos gerais e específicos do tratamento. A cerimônia de lançamento da publicação foi realizada na sede do CFM, em Brasília, e teve a presença de autoridades do governo, parlamentares, representantes de entidades médicas e de instituições de saúde.

O presidente do Conselho, Roberto d’Avila, destacou que, quando se trata do crack, 1/3 dos usuários morrem (85% deste por causas violentas), outros 1/3 permanecem com deficiências crônicas e perdas cognitivas, e somente 1/3 dos usuários se curam. “Penso que não há ninguém que não fique impressionado com a epidemia que se instalou no país. Todos precisam estar envolvidos nesta luta, e o CFM fará sua parte com projetos continuados e capacitação dos médicos”.

O 2º vice-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo da Fonte (PP-PE), apontou que a ação do CFM é importante no momento em que o uso da droga de tornou uma tragédia. “Se não nos unirmos e tomarmos um providência teremos um amanhã cada vez mais difícil”.

Divulgação - “Em síntese, as Diretrizes servem de guia para capacitar médicos, especialmente do Sistema Único de Saúde, para o atendimento de usuários de crack. O lançamento da publicação marca o início de seu envio para instituições a que estão vinculados profissionais que planejam e executam ações em saúde, como o Ministério e as secretarias estaduais e municipais de saúde e os sindicatos e conselhos de médicos”, afirmou Ricardo Paiva, membro da Comissão de Assuntos Sociais do Conselho.
De acordo com o 1º vice-presidente do CFM, Carlos Vital, o Conselho também incentivará a divulgação das Diretrizes em âmbito nacional e regional. “Apoiaremos a organização de fóruns e seminários sobre o tema pelos conselhos regionais de medicina”, disse. O documento também poderá ser encontrado na internet. (Clique aqui).
Tratamento – As Diretrizes indicam, por exemplo, o encaminhamento que deve ser dado aos usuários de crack no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), com referência, entre outros recursos, à estrutura de urgências e emergências, de consultórios de rua e de albergues terapêuticos.
Com o auxílio das diretrizes, os médicos poderão avaliar e manejar casos de urgência que envolvam intoxicação, abstinência aguda ou overdose. Os profissionais também passam a dispor de orientações sobre as etapas dos processos de atendimento e as abordagens mais indicadas aos usuários.
Além das diretrizes médicas, o Conselho também apresentou diretrizes para a assistência ao usuário do crack voltadas para a sociedade. Estruturadas sobre três eixos (policial, saúde e social), as recomendações indicam ações que podem auxiliar na redução do consumo dessa droga. “O enfrentamento da droga só será possível se houver uma ação conjunta de vários órgãos do governo e a sociedade”, apontou o presidente do CFM, Roberto d’Avila.
A entidade também mantém o hotsite www.enfrenteocrack.org.b com informações de locais para internações, legislação e campanhas.

Números – Pesquisa do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid), realizada em 2005, indica que 0,7% da população brasileira de 12 a 65 anos havia usado crack pelo menos uma vez na vida.
Entre os entrevistados na pesquisa, 0,1% disse ter usado crack no período de um ano anterior à entrevista e 0,1% afirmou ter consumido a droga no período de 30 dias anterior à entrevista. O maior percentual de pessoas que haviam consumido a droga pelo menos uma vez na vida encontrava-se no grupo de sexo masculino com idade entre 25 e 34 anos: 3,2%, o que à época correspondia a 193 mil pessoas.
A pesquisa revelou ainda que 44,9% da população consideravam “muito fácil” obter crack caso desejasse, o que equivalia a 22.305.000 pessoas. O Ministério da Saúde estima que atualmente existam 600 mil usuários de crack no país. No entanto, há divergências sobre este número. Alguns pesquisadores estimam essa população em torno de um milhão de pessoas.
Outra pesquisa do Cebrid, realizada em 2010 entre estudantes de escolas públicas e particulares das 26 capitais brasileiras e do Distrito Federal, indica que 0,4% dos estudantes haviam usado crack no período de um ano anterior às entrevistas.
Mais informações:
Setor de Imprensa do Conselho Federal de Medicina

ALGUNS DESTAQUES DAS DIRETRIZES PARA ASSISTÊNCIA AO USUÁRIO

· A fumaça tóxica do Crack atinge o pulmão, vai à corrente sanguínea e chega ao cérebro. É distribuído pelo organismo por meio da circulação sanguínea e, por fim, a droga é eliminada pela urina. Sua ação no cérebro é responsável pela dependência.
· Algumas das principais conseqüências do uso da droga são: doenças pulmonares, alguns doenças psiquiátricas, como psicose, paranóia, alucinações e doenças cardíacas. A mais notória é a agressão ao sistema neurológico, provocando oscilação de humor e problemas cognitivos, ou seja, na maneira como o cérebro percebe, aprende, pensa e recorda as informações. Isso leva o usuário a apresentar dificuldade de raciocínio, memorização e concentração.
· Os psiquiatras preconizam internação para desintoxicação de cerca de 7 a 14 dias, drogas usadas comumente como opióides e tratamento das comorbidades constituem-se em medidas iniciais, devendo o paciente ter acesso à rede de tratamento ambulatorial bem como aos processos integrados.

ASPECTOS GERAIS NO TRATAMENTO DO USUÁRIO DE CRACK

A- MULTIFATORIEDADE do Dependente Químico (DQ) - O tratamento deve ser interdisciplinar, dirigido  às diversas áreas afetadas : física, psicológica, social, questões legais e qualidade de vida. Objetivo: iniciar a abstinência e prevenir as recaídas.

B- DESAFIO – Não há uma droga específica apesar de pesquisas empreendidas. É preciso identificar precocemente, avaliar padrão de consumo, grau de dependência, comorbidades  e fatores de risco. Garantir disponibilidade para o tratamento e facilitar acesso aos serviços de atendimento, além de, buscar adesão ao tratamento com intervenções familiares.

C- TRATAMENTO – Intervenções medicamentosas de suporte: sintomáticas e tratamento das comorbidades psiquiátricas e complicações clínicas. A cocaína aumenta a neurotransmissão da dopamina e serotonina relacionadas aos efeitos prazerosos e reforçadores da droga e desregulação do sistema, com papel importante na Síndrome de Abstinência, levando a inúmeros ensaios clínicos com intervenções farmacológicas sem resultados satisfatórios. As drogas utilizadas ainda estão sem evidência científica comprovada ou experiência clínica consistente. Anticonvulsivantes, agentes aversivos, antidepressivos tricíclicos, estabilizadores de humor e antipsicóticos são utilizados e serão comentados ao final.

D- ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR E REDE INTEGRADA DE ATENÇAO PSICOSSOCIAL

· Ações preventivas:sensibilização e capacitação dos profissionais de saúde e educação
· Identificação precoce e encaminhamento adequado
· Desintoxicação: tratamento e suporte sintomático
· Tratamento das comorbidades: clínicas e psiquiátricas.
· Estratégias de psicoeducação: trabalhar fatores de risco
- Grupos de auto-ajuda
- Acompanhamento ao longo do tempo na Estratégia Saúde da Família
- Abordagens psicoterápicas por profissionais habilitados, terapias individuais, grupais
-  Terapia cognitiva comportamental.
- Treino de habilidades sociais e prevenção de recaídas
- Reabilitação neuropsicológica e psicossocial
- Redução de danos  com base em evidências médicas e legais
- Rede de atenção: leitos em hospitais gerais para desintoxicação, ambulatórios , CAPS AD, albergamento  sócio-terapeutico e moradias assistidas

DIMENSÃO DO PROBLEMA

· A rede integrada de saúde mental necessita ser dimensionada quanto as necessidades.
· Os serviços comunitários, geralmente religiosos, são muitos, são precários, carecem de base científica e beneficiam pouco o Dependente Químico.
· As ações na área de saúde nas três esferas de governo e entre os diversos órgãos em uma mesma esfera não são integradas e não são harmônicas.
· Os serviços de assistência ao Dependente Químico de Crack (DQC) com qualidade são poucos e geralmente privados e universitários.
· O uso de substâncias psicoativas (SPA) lícitas prediz o uso de SPA ilícitas e no Brasil não temos nenhum controle sobre publicidade, preço e disponibilidade das SPA lícitas.
· Os usuários recreativos, que sustentam o tráfico, são vistos pela lei 11.343/2006 como dependentes.
· A repressão ao tráfico é insuficiente.
· Não existe tratamento único e ideal para a DQC. O melhor seria organização de um sistema de serviços que levasse em conta a diversidade de problemas (saúde mental e física, social, familiar, profissional, conjugal, criminal, etc), buscando a proporcional diversidade de soluções.
· Devido a natureza da DQC alguns pacientes podem beneficiar-se de intervenções breves e outra parte, necessitar de tratamentos mais sistematizados e com diferentes níveis de complexidade e variedade de recursos.

ONDE PROCURAR AJUDA

· Procure a secretaria municipal de saúde ou o conselho municipal de saúde ou ainda o ministério público, sempre que tiver dificuldades em obter o tratamento desejado.

· Acesse www.enfrenteocrack.org.br e obtenha a lista de locais para atendimento em todo o país.
· Utilize o 08005100015 para acessar a central de atendimento gratuito para informações (projeto viva voz da SENAD)

PARA ACESSAR A ÍNTEGRA DO DOCUMENTO, ACESSE O SITE DO CFM (www.portalmedico.org.br).

ALGUNS DESTAQUES DAS DIRETRIZES PARA A SOCIEDADE

· É preciso mobilizar toda a sociedade (sindicatos, conselhos, movimentos sociais, religioso, estudantil) e meio empresarial para criar uma consciência de responsabilidade compartilhada para o sucesso dessa grande ação de cidadania.
· As entidades médicas (Conselho Federal de Medicina, Federação Nacional dos Médicos e Associação Médica Brasileira) se disponibilizam para fazer parte dessa grande causa.
· A Comissão de Assuntos Sociais criada pelo CFM, além da realização de três seminários, estudou o tema, tendo por base:
a) apresentação pela SENAD do Plano de Enfrentamento ao Crack do Governo Federal;
b) orçamento previsto e executado em 2010 para essas ações;
c) relatório da ONU sobre drogas em 2010;
d) proposta da OMS de fluxograma para atendimento aos usuários;
e) experiências, europeia e americana, nos últimos 10 anos, disponibilizadas na web;
F) diretrizes da Associação Brasileira de Psiquiatria/AMB e Câmara Técnica do CFM

De forma objetiva e legitimada pela Comissão ficou estabelecido que:

1 - O plano de enfrentamento proposto pela SENAD contempla as ações necessárias se implementadas com recursos em quantidade suficiente e adequadamente aplicados.
2 - Há um consenso para que haja eficácia no enfrentamento ao crack, que o Governo Federal nomeie um coordenador geral, com o objetivo de articular as ações com todos os ministérios e venham a agir de forma integrada e que os recursos não privilegiem ações policiais ou de saúde em detrimento de ações sociais.
3- Ferramentas isoladas como comunidades terapêuticas ou consultórios volantes não resolvem a assistência à saúde que necessitam de uma rede hierarquizada e integrada.

Sugestão da Comissão de Assuntos Sociais do CFM, apresentando prioridades para os três eixos:

Eixo Policial
a) Ações de inteligência para reprimir a entrada da droga e mapear os pontos principais de venda;
b) Ação de inteligência para extirpar dos quadros policiais profissionais envolvidos com o tráfico;
c) Ação de capacitação e qualificação das forças policiais nas relações humanas e interpessoais;
d) Inteligência fiscal para controle de movimentação financeira do tráfico;
e) Controle fiscal sobre insumos próprios ao fabrico do crack.

Eixo Saúde
a) Estruturar e capacitar as portas de entrada para o usuário (Estratégia Saúde da Família, urgências), bem como implementar a rede de sustentação (Centros de Apoios Psicossociais,  CAPS AD (Álcool e droga), hospitais de apoio, grupos de autoajuda e albergamento terapêutico , consultórios de rua);
b) Dimensionar o necessário número de profissionais médicos, demais profissionais de saúde e assistentes sociais para trabalharem em rede e de forma integrada;
c) Criar o agente comunitário social e alocá-lo nos ESF até que a estrutura do Consuas esteja plenamente instalada.

Eixo Social
a) Criar centro de convivência em cada comunidade de periferia com biblioteca, espaço de arte, lazer e cultura e inclusão digital;
b) Melhorar a qualidade das escolas para aprendizado em tempo integral e com formação profissionalizante;
c) Reivindicar ao Governo Federal que organize processo de economia solidária (banco popular com acesso a microcréditos) e cooperativas de trabalho, conforme vocação econômica das comunidades.

ONDE PROCURAR AJUDA

· Procure a secretaria municipal de saúde ou o conselho municipal de saúde ou ainda o ministério público, sempre que tiver dificuldades em obter o tratamento desejado.
· Acesse www.enfrenteocrack.org.br e obtenha a lista de locais para atendimento em todo o país.
· Utilize o  08005100015 para acessar a central de atendimento gratuito para informações (projeto viva voz da SENAD – Secretaria Nacional Anti Drogas).

PARA ACESSAR A ÍNTEGRA DO DOCUMENTO, ACESSE O SITE DO CFM (www.portalmedico.org.br).
____________________
Mais informações:
Setor de Imprensa do Conselho Federal de Medicina
FONTE:  http://odetedan.blogspot.com/2011/08/diretrizes-para-usuarios-de-crack.html

0 comentários:

Postar um comentário

Olá! Obrigada pela visita! Fique à vontade para comentar. Saiba que sua opinião é mt importante para o enriquecimento do meu cantinho!!! Bjossss

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Minha Família